Coleção Raimundo Cela

Raimundo Brandão Cela, nasceu em Sobral, no dia 19 de julho de 1890. Cela ingressa no Liceu do Ceará, formando-se em Ciências e Letras. Em 1910 muda-se para o Rio de Janeiro, frequentando a Escola Nacional de Belas Artes, sendo aluno de Zeferino da Costa, Eliseu Visconti e Baptista e Costa.

Em 1917, obtém o prêmio de Viagem ao Estrangeiro pela obra “Último Diálogo com Sócrates”. Morando em Paris entre anos de 1917 a 1922, viaja para Inglaterra, Bélgica, Holanda e Espanha e estuda gravura em metal com Frank Branwyn.

Ao retornar para o Brasil, muda-se para Camocim, interior do Ceará, e passa a trabalhar como engenheiro. Em 1938, o artista pinta o quadro “Abolição dos Escravos” para o Palácio do Governo do Ceará, representando a imagem que remete a Liberdade, e alguns importantes líderes e intelectuais abolicionistas.

Participou do I Salão Cearense de Pintura e do I Salão de Abril, no Ceará;  do IX Salão Paulista de Belas Artes, em São Paulo; do Salão Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, quando recebeu a Medalha de Ouro em Pintura e a Medalha de Ouro em Gravura, entre outras consideráveis exposições e conquistas.

Em 1957, no período que denominamos pré-MAUC, participou de uma retrospectiva com Vicente Leite, no Salão Nobre da Reitoria como parte do projeto artístico cultural da Universidade. No ano de instalação do MAUC, em 1961, o museu promove uma retrospectiva do pintor. Com o maior acervo do artista no Estado do Ceará, em 1979, foi inaugurada a Sala Raimundo Cela. Em 1990, comemorando o Centenário de nascimento de Cela, o MAUC realiza uma exposição comemorativa com 71 obras do artista.

Pintor, desenhista e gravador, tem como temática abordada característica a tipologia da terra, isto é, os tipos humanos regionais, com perspectiva formal estética. Dessa forma, retratou a força do trabalhador, desvencilhando-o da imagem de pobreza, além de tornar o jangadeiro um emblema e enriquecer a memória do Ceará.

Com telas luminosas e claras, representadas ali os pescadores, os vaqueiros, os artesãos, os operários e os jangadeiros, em sua maioria, o mestre Raimundo Brandão Cela representa um grande marco para a arte regional, tornando-se um pintor renomado para o patrimônio artístico cearense.

Raimundo Cela faleceu no Rio de Janeiro em 06 de novembro de 1954.

Exposições realizadas:

Exposição ; Gravuras e Desenhos de Raimundo Cela – 20/10/1961
Exposição ; Centenário de Nascimento de Raimundo Cela – 19/07/1990
Centenário de Raimundo Cela – Obras Expostas