Português

Férias no Mauc – 4ª Edição: Inscrições abertas

18 de janeiro de 2021
Peça gráfica quadrada. Arte de divulgação do evento Férias no Mauc. Na parte superior, a logo do evento: sobre fundo amarelo, Férias no Mauc, em cores vermelha e azul. Acima, 60 anos do Mauc. Abaixo, ilustração digital de pessoa visitando um museu. Ao lado, as logomarcas do Mauc e da UFC. A peça traz ainda as informações de que o evento acontece entre janeiro e fevereiro de 2021 e que serão cursos, palestras, workshops e oficinas.

Banner de divulgação do Férias no Mauc.

Entre os meses de janeiro e fevereiro, o Museu de Arte da UFC realizará a 4ª Edição do Férias no Mauc: arte e museu para todos, programa educativo e cultural que abre as comemorações pelos 60 anos do museu. A programação contempla 13 ações, parte delas oriundas de colaborações por meio de Convocatória Pública, com mais de 200 vagas.

Serão oferecidas ao público oficinas, cursos de férias, workshop e palestras, em três modalidades: presencial, online e híbrida. Para as atividades presenciais, o Mauc estabeleceu protocolos rígidos de biossegurança, que deverão ser seguidos por todos os participantes.

As inscrições podem ser feitas nos links abaixo, disponibilizados em cada atividade. Antes de se inscrever, confira todas as informações sobre a ação e participe!

O Mauc agradece a todas e todos colaboradores(as) que enviaram suas propostas de atividade, tornando nossa programação rica e plural.

Férias no Mauc – 4ª Edição – Comemorativa aos 60 anos do Mauc

JANEIRO

1) Mesa de abertura da 4ª Edição do Férias no Mauc: Arte, cultura e museologia na UFC: os 60 anos do Mauc
Convidadas: Graciele Karine Siqueira (Mauc), Dayana Oliveira (Secult-Arte) e Gerda Holanda (Memorial da UFC)
Modalidade/Plataforma: Online – Youtube do Mauc
Data: 19/01/2021
Horário: 17 horas
Faixa etária: livre
Inscrição: não é necessário inscrição prévia – a assinatura na lista de presença digital permitirá a solicitação de certificado
Ementa: A mesa abordará a importância do Mauc para a arte, a cultura e a museologia no contexto da UFC, destacando o papel desse equipamento cultural e sua importância.
Sobre as ministrantes:
Graciele Karine Siqueira – Museóloga formada pela Escola de Museologia da Universidade Federal do Estado do Rio
de Janeiro (UniRio). Mestre em Museologia e Patrimônio pela UniRio em parceria com o Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast). Especialista em Gestão Cultural pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). Trabalha no Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará (Mauc/UFC), desde 2008, desempenhando a função de museóloga e responsável pela Divisão de Acervos. Desde 2018, ocupa a função de diretora do Mauc/UFC.
Lady Dayana Silva de Oliveira – Produtora Cultural na Secretaria de Cultura Artística da Universidade Federal do Ceará. Graduada em Comunicação Social – com habilitação em Jornalismo – pela UFRN. Mestre em Estudos da Mídia pelo PPGEM-UFRN e doutoranda no referido Programa. Atuou como docente no Depto. de Comunicação Social da UFRN, ministrando disciplinas para os cursos de Jornalismo, Rádio e TV e Publicidade e no coletivo Caminhos, Comunicação & Cultura. Tem experiência nas áreas de Produção de TV, Audiovisual, Marketing e Produção Cultural.
Gerda de Souza Holanda – Possui graduação em Pedagogia, Especialização em Administração e Supervisão Escolar pela Universidade Estadual do Ceará, Especialização em Acessibilidade Cultural pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Mestrado em Educação pela Universidade Estadual do Ceará e Doutorado (em andamento) pela Universidade de Coimbra. Atualmente é professora da Secretaria da Educação Básica do Ceará e Diretora do Memorial da Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Administração de Unidades Educativas, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, acessibilidade cultural, patrimônio cultural e patrimônio documental arquivístico.

2) Curso – Cidade Portátil: encontros virtuais
Ministrante: Izabel Gurgel
Modalidade/Plataforma: Online – Google Meet
Data: 22, 25, 27, 28 e 29/01/2021
Horário: 15 às 17 horas
Número de vagas: 30
Carga horária: 10 horas
Faixa etária: a partir de 14 anos
Lista de Inscrições Deferidas – Divulgada em 22/01/2021
Ementa: Izabel Gurgel vive e experimenta a cidade como uma leitora em estado de leitura. Trabalha com livros, relatos orais que anota nos percursos de pesquisa, com fontes de informação e narrativas em diferentes suportes. Desde narrativas fotográficas ou audiovisuais, que podem se constituir tanto por fotos e vídeos domésticos como feitos por documentaristas e/ou ficcionistas profissionais. Utiliza mapas, desenhos, gráficos etc. Tem uma boa trajetória de caminhante na elaboração dos materiais. Caminhando, foi elaborando, por exemplos, os roteiros de apreciação da obra pública do artista Sérvulo Esmeraldo em Fortaleza; percebeu uma rota das artes visuais em Canoa Quebrada no rastro das mulheres rendeiras do lugar; e os modos de contar de si e da cidade na observação dos altares da rua Barão de Aratanha, em Fortaleza. A maioria dos acervos da edição digital Cidade Portátil Janeiro 2021 são vividos, incorporados, uma experiência que se renova na partilha em encontros como os que se realizam agora na programação Férias no Mauc. Serão 5 encontros, focalizando: 1º Rendas e rendeiras do Ceará: a partir do livro “Renda de Bilros – A coleção do Museu Arthur Ramos”, de Valdelice Carneiro Girão; 2º Narrativas sobre um teatro, uma cidade: o Theatro José de Alencar e Fortaleza; 3º Fé em festa: altares efêmeros da rua Barão de Aratanha para a procissão de N. Sra. de Fátima; 4º Sérvulo Esmeraldo a céu aberto: a obra pública do artista em Fortaleza; 5º Rendeiras do Ceará: Canoa Quebrada a partir das mulheres que fazem a renda labirinto.
Sobre a ministrante:
Izabel Gurgel é jornalista, professora e, na condição de leitora, desenvolve conteúdos e atividades curatoriais. Realiza ações educativas em torno da compreensão ampliada de patrimônio cultural, fazendo apreciação de trajetórias artísticas (Frida Kahlo, Alberto Nepomuceno, Clarice Lispector, Cora Coralina); de lugares, de acervos imateriais e físicos, como nas séries de encontros A Cozinha do Tempo e Cidade Portátil. Ações derivadas da pesquisa, do gosto por prestar atenção e pelo desejo de partilha.

3) Curso – A cultura popular na aquarela em bordado: explorando técnicas conjuntas
Ministrante: Carla Bianca Carneiro Amarante Correia
Modalidade/Plataforma: Presencial – no Mauc
Data: 26 e 28/01/2021
Horário: 13 às 17 horas
Número de vagas: 8
Carga horária: 8 horas
Faixa etária: a partir de 15 anos
Lista de Inscrições Deferidas – Divulgada em 22/01/2021
Ementa: A proposta se trata de um curso de Aquarela em Bordado que irá trabalhar questões da arte-educação através da ótica da cultura popular, utilizando de referenciais que integram o acervo de Cultura Popular do Museu de Arte da UFC. No curso iremos trabalhar questões teóricas gerais acerca do bordado e de sua relação com a cultura popular nordestina, e realizaremos exercícios práticos envolvendo bordado livre e técnicas da aquarela.
Materiais necessários (de responsabilidade do participante): Se o participante tiver, trazer para a oficina linhas de meada coloridas, tinta para aquarela e pincéis.
Sobre a ministrante:
Carla Bianca Carneiro Amarante Correia – Licenciada em História, educadora e atualmente cursa o Mestrado Acadêmico em História Social, com bolsa de fomento CAPES. É pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Patrimônio e Memória (GEPPM – UFC) e no Grupo de Pesquisa e Estudos em História e Gênero (GPEHG – UFC), e compõe a Rede de Educadores em Museus do Ceará. Atua como educadora voluntária no Núcleo Educativo do Mauc.

FEVEREIRO

4) Curso – Audiodescrição artística: introdução e aplicação à obra de Descartes Gadelha
Ministrante: Marisa Ferreira Aderaldo
Modalidade/Plataforma: Online – Google Meet
Data: 1, 2, 8, 9, 15, 16, 22 e 23/02/2021 e 1, 2, 8, 9, 15, 16 e 22/03/2021
Horário: 15 às 17 horas
Número de vagas: 20
Faixa etária: a partir de 18 anos
Carga horária: 30 horas
Lista de Inscrições Deferidas – Divulgada em 22/01/2021
Ementa: Em 30 horas aula abordaremos, de modo panorâmico, um modelo semiótico multimodal para audiodescrição de pinturas artísticas da série Cicatrizes Submersas, de Descartes Gadelha. Após discussão teórica, participantes elaboram roteiros de audiodescrição de pinturas selecionadas como corpus. Após redação dos roteiros, os textos são avaliados por participantes consultores em formação no curso e retornam aos roteiristas para elaboração final. Material poderá servir para uso em vários suportes das exposições inclusivas no Mauc.
Sobre a ministrante:
Marisa Ferreira Aderaldo – Doutora em Letras na área dos Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Minas Gerais. É professora adjunta da Universidade Estadual do Ceará e atua principalmente no ensino de língua e literatura espanhola e hispanoamericana. Entre os livros traduzidos destacam-se Os caracteres morais (ABC Ed., 2005) de Teofrasto e A Idade de Ouro: dedicada aos meninos da América (Forgráfica Ed., 2006), de José Martí. Atualmente desenvolve pesquisas na subárea da tradução audiovisual acessível voltada a pessoas com deficiência visual (audiodescrição), com ênfase no compartilhamento de obras de artes visuais bidimensionais em meios eletrônicos e outras imagens em livros didáticos e paradidáticos.

5) Oficina – Iniciação à pintura a óleo
Ministrante: Danielle Rodrigues de Sousa
Modalidade/Plataforma: Online – Postagem diária de um vídeo no Youtube do Mauc
Data: 1 a 5/02/2021
Horário: Um vídeo da oficina será postado diariamente no Youtube do Mauc, pela manhã.
Número de vagas: 20
Faixa etária: Livre
Carga horária: 5 horas
Lista de Inscrições Deferidas – Divulgada em 30/01/2021
Ementa: O curso será realizado por vídeos postados diariamente no Youtube do Mauc e através de diálogos em um grupo de WhatsApp. Cronograma de vídeos: 1° vídeo – Considerações iniciais: sobre tinta à óleo, o que necessitamos para começar a pintar? Materiais necessários; 2° vídeo – Teoria da cor ( exercício prático: fazer a roda das cores no papel canson), mistura de cores, luminosidade ( luz e sombra), harmonia cromática; 3° vídeo – Desenho e criatividade; 4° vídeo – Observação de pinturas, conversa sobre artistas, dicas e conselhos; 5° vídeo – Exercício prático (pintura no papel canson A4) – enviar foto à ministrante por WhatsApp; 6° vídeo – Live de finalização, com conversas e tira dúvidas. Também serão apresentadas algumas pinturas realizadas pelos participantes (caso alguém tenha enviado e autorizado a mostrar).
Sobre a ministrante:
Danielle Rodrigues de Sousa, nasceu no Rio Grande do Norte, indo morar em Fortaleza (Ceará) com seus pais, aos 6 anos de idade. Sendo assim, Dany se considera Cearense. Dany Sousa é casada e tem uma filha de 14 anos. É engenheira civil desde 2003, porém sendo apaixonada por arte desde criança, resolveu estudar licenciatura em artes visuais em março de 2020 com o objetivo de aprimorar os conceitos nas artes e por se identificar pelo ensino. Em 2019 resolveu começar a pintar telas de maneira autodidata, porém logo começou a investir em cursos para desenvolver sua carreira artística. Dany trabalha ainda com arte reborn e esculturas de dolls, há 5 anos.

6) Oficina de Monotipia
Ministrante: Nayana Camurça de Lima
Modalidade/Plataforma: Presencial – no Mauc
Data: 03/02/2020
Horário: 14 às 15:30 horas
Número de vagas: 8
Faixa etária: a partir de 13 anos
Carga horária: 1:30 horas
Lista de Inscrições Deferidas – Divulgada em 31/01/2021
Ementa: A oficina vai tratar de uma técnica de gravura considerada simples e de fácil acessibilidade, a monotipia. Com essa técnica só se consegue a impressão de um único exemplar. É um processo híbrido em que se misturam características visuais da gravura, desenho e pintura. Pretendemos apresentar a técnica, suas particularidades e suas maneiras de trabalhar, que são: monotipia aditiva, monotipia subtrativa e monotipia de transferência. Na parte prática, vamos trabalhar com a monotipia de transferência utilizando tinta a óleo.
Materiais necessários (de responsabilidade do participante): Se o participante tiver, trazer para a oficina uma bisnaga de tinta a óleo de qualquer cor, papéis (brancos, coloridos, de gramaturas diversas…). Caso o participante não tenha o material, ele(a) também poderá participar, pois o museu e a ministrante ofertarão os materiais necessários.
Sobre a ministrante:
Nayana Camurça de Lima – Cursando Mestrado Profissional em Artes pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE). Licenciada em Artes Visuais pela Universidade Federal de Uberlândia(UFU), conclusão em Dezembro/2019. Foi bolsista de Extensão e Cultura no Museu do Índio/UFU 2017/2019, onde atuou como designer de exposições, na criação de arte e produção de materiais gráficos, em mediação de visitas, e na elaboração e condução de oficinas artístico-pedagógicas. É Bacharel (2015) em Humanidades pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira – UNILAB, onde foi bolsista de Iniciação Científica pelo CNPq no projeto de pesquisa E agora falamos nós: mulheres beneficiárias do Bolsa Família – Redenção CE. É artista visual, investiga diversas possibilidades de se fazer gravura, com ênfase nas monotipias. Suas temáticas privilegiam gênero, feminismo, corpo e violência. Tem participação em exposições artísticas coletivas e individual. É vencedora do 9º Prêmio Ibema Gravura A Arte Transformando o Mundo (Curitiba, 2019).

7) Oficina – Memória afetiva e arte têxtil como experimentos artísticos
Ministrante: Geysa Danielle Barbosa de Moura Silva
Modalidade/Plataforma: Online – Google Meet
Data: 04, 05, 11 e 12/02/2021
Horário: 14 às 17 horas
Número de vagas: 30
Faixa etária: a partir de 18 anos – Estudantes e profissionais de Artes Visuais, História, Sociologia, Antropologia, Filosofia, Psicologia, etc), artistas, artistas têxteis, arte/educadores, qualquer pessoa interessada em arte (público geral).
Carga horária: 12 horas
Lista de Inscrições Deferidas – Divulgada em 02/02/2021
Ementa: “Memória afetiva e arte têxtil como experimentos artísticos” é uma oficina que pretende apresentar artistas e trabalhos em arte têxtil (como bordado, crochê, tricô, entre outros) que podem estimular os mais diversos trabalhos em artes, seja com a própria produção artística com materiais têxteis ou o têxtil como objeto de investigação. Expandir a ideia de arte têxtil para além do utilitário e/ou do uso doméstico, conhecendo as diversas possibilidades dessa produção, transgredindo suas formas e expressões tradicionais. Assim, nosso objetivo com esse curso é possibilitar experimentos artísticos que possam envolver memórias afetivas e arte têxtil como ponto de partida para refletir acerca das mais diversas discussões sociais.
Sobre a ministrante:
Geysa Moura – Sou pesquisadora e artista têxtil e visual, licenciada em história e no momento mestranda do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Humanidades da UNILAB (Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira). Sou pernambucana, mas atualmente resido em Redenção – Ceará desde 2012. Minha pesquisa consiste na utilização dos meus diários de memória, das experiências e sensações do cotidiano e dos lugares que frequento como objetos de investigação. A palavra é uma constante em meu trabalho e é usada como forma de “arquivamento do eu”, promovendo uma construção, desconstrução e reconstrução constante de mim mesma. Transversalmente minha pesquisa e minha produção artística resgatam uma discussão sobre a subvalorização da arte têxtil, associada historicamente a uma arte menor e a um fazer tipicamente feminino. Assim, o tecer como forma de expressão se revela como um ato de resistência objetivando a inserção da arte têxtil e da mulher na arte contemporânea.

8) Palestra – Memórias estrigueanas: modos de narrar a História das Artes no Ceará
Ministrantes: Luiza Helena Amorim e Carolina Ruoso
Modalidade/Plataforma: Online – Google Meet
Data: 09/02/2021
Horário: 9 às 11 horas
Número de vagas: 30
Faixa etária: Livre
Carga horária: 2 horas
Lista de Inscrições Deferidas – Divulgada em 08/02/2021
Ementa: Será apresentado um panorama dos trabalhos de memória do artista Estrigas, fundador do Minimuseu Firmeza e autor de livros que tratam da história da arte no Ceará. Ressalte-se que esta palestra tem uma forte ligação com o MAUC, pois, além do tema central, há um diálogo com o acervo, pois, muitos dos artistas dos quais Estrigas se refere, estão representados neste museu de arte. Há um destaque para os diários íntimos de Estrigas, que foram publicados como livros. Neles encontramos, poucas anotações autobiográficas e sim, um registro da trajetória dos artistas, no estado, por onde circulavam, onde realizavam exposições, entre outras informações que tratam de uma memória coletiva. O conteúdo será apresentado pela proponente e pela convidada, abrindo espaço também para o público interagir e fazer perguntas.
Sobre as ministrantes:
Luiza Helena Amorim é mestranda em História Social, pela Universidade Federal do Ceará, onde desenvolve pesquisa sobre o Minimuseu Firmeza e seus fundadores, Nice e Estrigas. Integra o Grupo de Estudos e Pesquisa em Patrimônio e Memória (GEPPM/ CNPq) e a Rede de Pesquisa e Formação em Curadoria de Exposição.
Carolina Ruoso é doutora em História da Arte na Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne. Foi diretora da Galeria Antônio Bandeira e atuou como curadora do Museu de Arte Sobrado Dr. José Lourenço. Atualmente é professora de Teoria e História da Arte da Escola de Belas Artes da UFMG, atua nos cursos de Museologia, Artes Visuais e Conservação e Restauração.

9) Workshop – Escultura em argila com o método técnico Sight-Size [ATIVIDADE ADIADA, DEVIDO AO FECHAMENTO DO MUSEU]
Ministrante: Ispaide Idilécio
Modalidade/Plataforma: Presencial – no Mauc
Data: 10, 11, 17, 18 e 24/02/2021
Horário: 9 às 12 horas
Número de vagas: 8
Faixa etária: a partir de 18 anos
Carga horária: 15 horas
Inscrição: A atividade foi suspensa, devido ao fechamento do museu. Será reagendada, de acordo com a avaliação do cenário pandêmico e o retorno seguro das atividades presenciais.
Ementa: O workshop tem o objetivo de aplicar a linguagem visual da tridimensionalidade escultura em argila, onde irei ministrar todo processo do método técnico sight-size, ensinando cada artista visual ou aluno de qualquer área que tenha interesse de aplicar o método técnico, definindo uma estética naturalista ou outra estética desejada pelo aluno, pois cada um(a) terá liberdade para desenvolver seu projeto escultórico em argila.
Materiais necessários (de responsabilidade do participante): argila, borrifador, estecas e avental.
Sobre o ministrante:
Ispaide Idilécio – Graduado em Artes Visuais pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará – IFCE. Experiência programa de estudante voluntário em pesquisa inovação Pesquisa Arte Visuais em Escultura no PRPI, e na monitoria como bolsista no laboratório Lartec – IFCE. Desenvolvimento pesquisa em Artes Visuais objeto de estudo Escultura em Argila Bolsista (PIBIC-CNPQ) Escultura em argila no grupo de pesquisa ARTEUM, realizações sobre práxis do método técnico SIGHT-SIZE, também desenvolvendo uma análise estético. Assistente: Ateliê de tridimensionalidade do Professor Dr. Maximiano Arruda Ximenes D. Lima. assistente Professora Mestre Escultora Bianka Miekes. 2015. Alanus Hochschule für Kunst und Gesellschaft assistência projetos pesquisa em Artes Visuais em Arte Escultórica.

10) Palestra – Maracatu Vozes da África: 40 anos de tradição e afrocearensidade
Ministrantes: Wesley Lyeverton Correia Ribeiro, Antônio Marcio dos Santos Gadelha e Patrícia AdjoKè Matos
Modalidade/Plataforma: Online – Youtube do Mauc
Data: 10/02/2020
Horário: 19 às 20 horas
Número de vagas: Livre – sem inscrições prévias
Faixa etária: Livre
Carga horária: 1 hora
Inscrição: Assinatura na Lista de Presença Digital durante a transmissão
Ementa: Em um contexto de baixas perspectivas para ocorrência dos festejos mominos em 2021, a presente proposta se justifica na medida em que proporcionará ao público em geral um contato teórico e remoto com o tradicional carnaval de rua de Fortaleza, mas sem perder o tom de alegria e festividade. Dentre os tópicos a serem abordados na proposta, citamos a) Breve abordagem sobre os 40 anos de tradição em cultura popular do Maracatu Vozes da África, enquanto Patrimônio Imaterial de Fortaleza, e sua relação com a cidade; b) Fazer um debate sobre a inter-relação do maracatu de Fortaleza, enquanto cultura popular, com as demais linguagens artísticas, como dança, música, museu, moda, fotografia, cinema, artes cênicas, artes visuais, etc. c) Fazer um relato sobre as principais características do maracatu de Fortaleza, com ênfase no Vozes da África, que o torna sui generis em relação a outras manifestações populares do País; e d) Relatar como se dá o processo de construção do desfile e apresentações do Maracatu Vozes da África, destacando a concepção dos enredos, das loas, bem como a confecção dos adereços e alegorias.
Sobre os ministrantes:
Wesley Ribeiro – veterinário, doutor em Ciências Veterinárias, escritor e pesquisador em manifestações populares. É membro do Conselho Estadual de Políticas Culturais do Ceará (2020-2021).
Márcio Santos – Educador, carnavalesco, artista plástico, ator, cenógrafo e cenotécnico, aderecista e figurinista, bailarino popular, coreógrafo, compositor, brinquedista e folclorista.
Patrícia AdjoKè Matos – Mulher de Axé. Pedagoga e multiartista que dialoga por ao som dos ataques e seus mil tons geniais.

11) Oficina artística para crianças e suas famílias – técnicas: isogravura, pintura com guache e confecção de boneco com material reciclado [ATIVIDADE ADIADA, DEVIDO AO FECHAMENTO DO MUSEU]
Ministrantes: Eliel Vitor de Freitas Santos, Karla Karoline Vieira Lopes e Saulo Moreno Rocha
Modalidade/Plataforma: Presencial – no Mauc
Data: 2 oficinas no dia 12/02 e 2 oficinas no dia 25/02
Horário: 9 às 10:30 horas (1ª família)/10:30 às 12 horas (2ª família)
Número de vagas: mínimo de 2 e máximo de 8 pessoas
Faixa etária: crianças a partir de 2 anos, acompanhados de seus pais, mães ou responsáveis
Carga horária: 1:30 horas
Inscrição: A atividade foi suspensa, devido ao fechamento do museu. Será reagendada, de acordo com a avaliação do cenário pandêmico e o retorno seguro das atividades presenciais.
Ementa: A oficina tem o objetivo de oferecer um ambiente seguro de prática artística e visita ao museu para crianças e suas famílias. Tendo em vista a impossibilidade de aglomeração, serão oferecidas 4 oficinas, que contemplarão 4 famílias. Cada família deverá ser formada por no mínimo 2 e máximo de 8 pessoas. Após uma breve visita ao museu, os participantes serão convidados a fazer arte, por meio da técnica de isogravura (produção de gravura com isopor), pintura com tinta guache e produção de um boneco com material reciclado.
Materiais necessários (de responsabilidade do participante): uma meia fina, de pé, por pessoa.
Sobre os ministrantes:
Eliel Vitor de Freitas Santos – Graduando em História pela UECE. Educador do Núcleo Educativo do Museu de Arte da UFC e colaborador voluntário do Laboratório de Práticas Experimentais em Arte e Educação Museal (LAPEArte/Mauc).
Karla Karoline Vieira Lopes – Mestre em Educação pela Universidade Federal do Ceará. Graduada em Pedagogia pela UFC. Servidora Técnico-administrativa da UFC, atualmente, lotada no Museu de Arte – Mauc.
Saulo Moreno Rocha – Museólogo e coordenador do Núcleo Educativo do Museu de Arte da UFC. Bacharel em Museologia (UFSC) e Mestre em Museologia e Patrimônio (UNIRIO/MAST).

12) Oficina – Corpo em movimento – visualidades possíveis
Ministrantes: Wend Castelo e Paula Thaís Vale
Modalidade/Plataforma: Online – Google Meet
Data: 17 e 19/02/2021
Horário: 14 às 17 horas
Número de vagas: 24
Faixa etária: a partir de 16 anos
Carga horária: 6 horas
Inscrição: Acesse aqui o Formulário de Inscrição
Ementa: A oficina “Corpo em movimento” volta ao Mauc como proposta de uma nova roupagem explorando as possibilidades do corpo no âmbito virtual, como forma de readaptação à realidade contemporânea, acreditando que é possível sim proporcionar aos participantes uma experiência virtual multidisciplinar ao trazer elementos e conceitos da linguagem visual por meio da Dança, onde em um primeiro momento será executado em conjunto uma série de roteiros de ações, a fim de explorar a consciência corporal dos participantes assim como as possibilidades de comunicação que surgem através do movimento. Durante as etapas da oficina será realizada uma prática de desenho coletivo, na qual os participantes deverão fazer uma representação visual dos movimentos e temas explorados durante a oficina, através das técnicas do desenho e da pintura. Espera-se que ao longo do processo os participantes possam se expressar, entender e praticar novas formas de se comunicar pensando a visualidade ao aliar o corpo e o desenho/pintura e fotografia.
Orientações e requisitos para participar da oficina:
– Ter acesso à uma câmera e microfone (pode ser do celular ou webcam) para que possa acontecer a interação virtual proposta através da plataforma Google Meet.
– Ter acesso aos materiais: Papel e lápis
– Dispor de um espaço na sua casa (ou no lugar que estiver) que consiga se movimentar.
Sobre as ministrantes:
Wend Castelo – Artista-educadora, Produtora e Diretora artística. Graduanda do curso de Licenciatura em Artes Visuais – IFCE Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, co-fundadora e curadora na galeria virtual Esquadros (@esquadrosgaleria), sócia-proprietária da Produtora Coqueiral (@coqueiral_). Experiência/habilidades em diversas linguagens artísticas como desenho, pintura, escultura, gravura, teatro, dança, artes gráficas, fotografia/vídeo (audiovisual), produção e direção artística e etc.
Paula Thaís Vale – Artista Visual, arte educadora e designer. Atualmente concluindo o curso de Licenciatura em Artes Visuais pelo IFCE e co-fundadora e curadora na galeria virtual Esquadros (@esquadrosgaleria). Experiência/habilidade: Desenho, pintura e ilustração (digital e tradicional), animação, produção audio-visual, pintura mural e graffiti.

13) Oficina – Das raízes e das peculiaridades da Arte da Performance [ATIVIDADE ADIADA, DEVIDO AO FECHAMENTO DO MUSEU]
Ministrante: Daniel Rocha Diniz
Modalidade/Plataforma: Híbrido – um encontro online pelo Google Meet e um encontro presencial no Mauc
Data: 24/02 (encontro online – Google Meet) e 26/02 (encontro presencial – no Mauc)
Horário: 14 às 16 horas
Número de vagas: 8
Faixa etária: a partir de 16 anos – Público que tenha interesse em Arte Contemporânea, em Artes Cênicas e na Linguagem Artística Performance.
Carga horária: 4 horas
Inscrição: A atividade foi suspensa, devido ao fechamento do museu. Será reagendada, de acordo com a avaliação do cenário pandêmico e o retorno seguro das atividades presenciais.
Ementa: A Oficina “Das raízes e das peculiaridades da Arte da Performance” aborda a linguagem artística Performance de forma ontológica, sem ser hermética; de forma sintética, sem ser superficial; de forma crítica, sem ser imparcial. A proposta passeia inicialmente em comparações do que era feito antigamente na História da Arte até o Expressionismo Abstrato para compor uma genealogia e modo de produção do que hoje entendemos como ação performática. Ademais, proporcionar aos participantes a consciência crítica para desmistificar o uso do termo “performance” que se popularizou na indústria cultural, juntamente com o entendimento das características significativas dessa linguagem única. A oficina será em modo híbrido. Primeiramente, em modo online, pelo Google Meet, no qual se dará o contato teórico e reflexivo da temática Performance. No segundo encontro, será presencial, com prática e resultado, com a criação de um quadro em tamanho 3×3 metros, no qual será empiricamente testado os conceitos do primeiro encontro pela criação e fruição a partir do (limite do) movimento corpóreo.
Observação para o presencial/prático: Usar roupas leves e que não tenham problema em entrar em contato com tinta, pois irá manchar.
Materiais necessários (de responsabilidade do participante): cada participante deverá trazer uma venda para os olhos.
Sobre o ministrante: “Artista-etc, pesquisador/educador e leolindo [leonino]. Com alcunha de DANIEL ROCHE, Daniel Rocha Diniz é graduando de Artes Visuais no Instituto Federal do Ceará (IFCE) e faz parte do grupo de pesquisa “”Meio Fio de Pesquisa e Ação”” vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Artes no IFCE. Investiga questões relacionadas ao corpo e os limites do além-do-homem fisicamente correlacionando com a filosofia nietzschiana na linguagem da Performance e do Audiovisual. Atualmente compõe como membro (ator, roteirista e social media) no Grupo de Teatro Cuca Barra (GTCB). Já foi premiado com Menção Honrosa com o conto 15 segundos de Morte na Coletânea Literária LGBT em 2018 e pelo Grupo de Teatro Cuca Barra conquistou o troféu de Composição Cênica na 17ª edição do Festival BIVAR de Teatro em 2020.

Orientações gerais às(aos) participantes

Instruções de inscrição 

1) Antes de fazer a inscrição, verifique com cuidado se você terá disponibilidade para participar, observando data e horário, bem como se você está contemplado no “Perfil de Público – Faixa Etária” da ação!
2) Aos participantes de atividades que ocorrerão em mais de um dia, é imprescindível ter 75 % de presença para garantir certificação;
3) A equipe Mauc enviará um e-mail aos que tiverem as inscrições deferidas e os inscritos devem responder a mensagem confirmando participação. ATENÇÃO: Inscrever-se não garante vaga na ação! Só serão selecionados os participantes que ficarem no número de vagas disponíveis e que tenham respondido ao e-mail de confirmação enviado pela equipe do museu;
4) Fique atento(a) às especificidades de cada ação e o que elas demandam, como acesso à internet, equipamentos com câmera e áudio, etc.
5) A Lista de Inscritos para cada atividade será publicada em nosso site (www.mauc.ufc.br) e divulgaremos o link em nossas redes sociais.

Sobre a participação e faltas

1) Recomendamos ao participante que chegue ao local da ação (online ou presencial) com 10 minutos de antecedência, para não ocorrer atraso e para que não encontre a atividade em andamento;
2) Caso o participante tenha confirmado presença por e-mail e por algum motivo não puder participar da atividade: entrar em contato com a equipe Mauc por e-mail (mauc.inscricoes@gmail.com) ou por telefone (3366-7481) com no mínimo um dia de antecedência, para que possa ser convocado nome da Lista de Espera;
3) O(a) inscrito(a) que não comparecer e não comunicar a ausência com no mínimo um dia de antecedência estará impedido de participar de atividades do Mauc que demandem inscrição por um período de dois meses.

Sobre as atividades presenciais e as orientações de biossegurança

1) Cada participante de ação (inclusive crianças) deverá utilizar máscara durante todo o período de duração da atividade. Serão impedidas de acessar o museu as pessoas que não estiverem usando máscaras;
2) Na recepção do museu, o participante terá sua temperatura auferida e encontrará álcool em gel disponível;
3) O participante deverá respeitar o distanciamento recomendado pela equipe técnica responsável pelo programa.

Sobre certificação

1) Caso o participante tenha interesse em receber certificado de participação, deverá sinalizar no formulário de inscrição, no campo específico.

Sobre a participação do público infantil

Crianças de 0 a 12 anos deverão estar acompanhadas de pai, mãe ou pessoa responsável.

Sobre os materiais

É responsabilidade do participante ou do adulto responsável por criança verificar a lista de materiais de cada atividade e providenciá-los, trazendo-os no dia da atividade.

Marcadores: