Área do cabeçalho
gov.br

Este sítio foi reprojetado para melhor atendê-lo. Acesse já pelo celular e veja mais essa novidade

Portal da UFC Acesso a informação da UFC Ouvidoria Conteúdo disponível em: Português

Universidade Federal do Ceará
Museu de Arte da UFC – M A U C

Área do conteúdo

Programação do Mauc na 15ª Primavera dos Museus

Data de publicação: 15 de setembro de 2021. Categoria: Sem categoria

De tudo ficou um pouco
Do meu medo. Do teu asco.
Dos gritos gagos. Da rosa
ficou um pouco
(…) Ficaram poucas
roupas, poucos véus rotos
pouco, pouco, muito pouco.

A poesia de Carlos Drummond de Andrade é uma das inspirações para a 15ª Primavera de Museus promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e realizada nacionalmente pelo campo museal. O poema rememora algo que acabou, mas ao mesmo tempo fala daquilo que restou, de algo que persiste, que sobrevive, de algo que está aí. De certo modo, nós somos como museus vivos e como os museus, somos guardiões de fragmentos de algo que embora tenha acabado, ainda está aqui conosco, em nós. Nesse contexto, os museus são esses lugares de guarda do que restou, guardam o que sobrou de momentos grandiosos ou terrivelmente tristes da experiência e da vida humana. O pouco que restou, tantas vezes é dor ou afeto, mas tantas outras vezes é documento.

O Ibram propõe, nesta Primavera de Museus, pensarmos os resíduos, o que restou, como ponto de partida para um recomeço possível, seja a partir do sonhado, ou para um recomeço necessário, partindo dessa premissa, a de que a missão dos Museus é ser guardiões de resíduos da história, mas também espaços de ressignificação dessas e de tantas perdas. Mais do que espaço de acúmulo de momentos, somos e podemos ser espaços de acolhimento e de reflexão, de transmutação da dor e de ressignificação de perdas. Lancemo-nos, pois, em um novo e melhor recomeço!

Peça gráfica retangular com fundo laranja escuro acima e a medida que desce a cor vai clareando. No lado esquerdo temos a fotografia de uma parte da parte interna da Pinacoteca de São Paulo com colunas e a parede em tijolos aparentes. Ao lado temos "15ª Primavera de Museus" em negrito e em sentido diagonal, próxima a ela temos "Museus: perdas e recomeços" no topo da primeira sentença. Na parte inferior temos uma tarja branca com as logos dos realizadores.

15ª Primavera dos Museus
Museus: perdas e recomeços
Programação do Museu de Arte da UFC – Mauc

Data: 20 a 26 de setembro de 2021
Modalidade: atividades nas redes sociais e outras plataformas digitais

 

Ação 1
Oficina de Gravura e Papel Artesanal do Mauc – memórias e legados
Data: 20/09
Horário: 14:00 horas
Plataforma: Youtube
Objetivo, ementa, metodologia ou resumo: A Oficina de Gravura e Papel Artesanal do Mauc, criada em 1988 a partir de convênio entre a UFC e a Secretaria de Estado da Cultura do Ceará, foi uma importante experiência de ensino e formação em arte, que impactou decisivamente o surgimento de uma geração significativa de artistas cearenses. Esta live busca registrar, a partir de depoimentos de seus participantes, as memórias acerca dessa experiência e os legados da Oficina para o campos das artes visuais, com ênfase na valorização da gravura e no museu como espaço de formação.

Participantes/Convidadas(os): Eduardo Eloy, Pedro Eymar, Aléxia Brasil e Sebastião de Paula
Minibiografias:
Aléxia Brasil – Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Ceará, mestrado e doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. É professora do Departamento de Arquitetura e Urbanismo e Design da Universidade Federal do Ceará. Atualmente, desenvolve pesquisa sobre a ilustração vernacular e desenha em diários gráficos.
Eduardo Eloy – Artista visual brasileiro. Vive e trabalha em Fortaleza, onde é professor de gravura e materiais artísticos dedicando seu conhecimento em arte na formação de jovens artistas e montagens de atelier de gravura, como a Oficina de Gravura do MAUC/UFC, e o Atelier de Gravura da Escola de Artes e Ofícios Thomás Pompeu Sobrinho, dentre outros. O seu trabalho tem como foco as artes gráficas inter-relacionadas a interferências do desenho, pintura, entre outros meios. Estudou na Escola de Artes Visuais do Parque Lage RJ, MAM RJ, Fundação Calouste Gulbenkian RJ.
Pedro Eymar – Nascido na cidade de Crateús, inicia sua formação artística no Curso de Desenho sob a direção de Jean Pierre Chabloz no Conservatório de Música Alberto Nepomuceno, em 1964. Tem formação em Arquitetura e Urbanismo pela UFC e especialização em Conservação e Restauração em Bens Culturais pelo Cecor/EBA/UFMG. Foi diretor do Museu de Arte da UFC (Mauc) entre 1987 e 2018.
Saulo Moreno Rocha – Bacharel em Museologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre em Museologia e Patrimônio pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST). Museólogo do Museu de Arte (Mauc) da Universidade Federal do Ceará (UFC), onde atua como Coordenador do Núcleo Educativo.
Sebastião de Paula – Natural de Morada Nova, CE (1961). Licenciado em Música pela Universidade Estadual do Ceará, em 1988. Especializado em Arte e Educação pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, em 2004. Mestre em Educação pela Universidade Estadual do Ceará, em 2009. Doutor em Artes pela Universidade Federal de Minas Gerais, em 2014. Estudou xilogravura e gravura em metal com Eduardo Eloy no Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará (Mauc) em 1990/91. Workshops de gravura em metal com Artur Luiz Piza em 1991 e Carlos Martins em 1992, xilogravura com Francorli em 1992, na Oficina do Mauc. Workshop de desenho com Carlos Fajardo na Secretaria de Cultura do Estado do Ceará. Expôs coletivamente em várias cidades brasileiras e possui obras em diversas coleções de museus.

Ação 2
Visitando a Biblioteca do Museu de Arte da UFC
Data: 20 de setembro
Horário: 10:00h
Plataforma: Youtube
Objetivo, ementa, metodologia ou resumo: Vamos fazer um breve tour pela Biblioteca Floriano Teixeira do Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará, apresentando seu espaço, o acervo e suas coleções especiais, os serviços ofertados e as adaptações necessárias durante a pandemia de Covid-19, além de contarmos um pouco da história de sua fundação.
Participantes/Convidadas(os): Caroline do Socorro da Silva Gomes (aluna do curso de História da Universidade Estadual do Ceará. Bolsista do Mauc). Isaias Alves Braga Neto (Superior de tecnologia em filmmaker – Uninassau; Graduação em Turismo – IFCE. Bolsista do Mauc).
Responsável: Larisse Macêdo de Almeida – Bibliotecária do Museu de Arte da UFC

Ação 3
Redescobrindo a primavera: fotografia experimental com antotipia e fitotipia
Data: 22 a 24 de setembro
Horário: 08:00h
Ministrante: Kimberly Gomes (Núcleo Educativo do Mauc)
Modalidade/Plataforma: Oficina/Youtube-WhatsApp
Número de vagas: 30
Carga horária: 1h30
Faixa etária: a partir de 16 anos
Link de inscrição (formulário): https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScn2rBGWhYOaZwGfrp_Yf3950JKQdM7DzMMcay7yvIq6AUUJg/viewform
Objetivo, ementa, metodologia ou resumo: A oficina tem como objetivo experimentar técnicas de fotografia alternativa, sendo elas a antotipia e fitotipia. Iremos produzir impressões fotográficas a partir de imagens em transparências, utilizando como suporte/base folhas de plantas e pigmentos naturais. Os vídeos da oficina serão postados às 08:00 horas no canal do Mauc no YoTtube e os(as) inscritos(as) irão dialogar e enviar as experimentações através de um grupo no WhatsApp.
Ministrante: Kimberly Gomes – Graduanda em Cinema e Audiovisual (UFC). Bolsista vinculada ao Núcleo Educativo do Mauc, atuando no projeto “Núcleo Educativo do Mauc: práticas artístico-educativas, pesquisa e mediação” (BIA/PRAE).

Materiais necessários (de responsabilidade do participante):
Fitotipia:
Folhas de plantas
Transparência jato de tinta
Base fixa com vidro (Pode ser porta retrato)
Papel toalha
Prendedor de papel

Antotipia:
Folha de papel para aquarela
Base fixa com vidro (Pode ser porta retrato)
Pincel
Transparência jato de tinta
Liquidificador ou pilão
Coador de papel
Beterraba/urucum/açafrão

Ação 4
Um museu parado pela pandemia? Será?
Data: 24 de setembro
Horário: 10:00h
Plataforma: Youtube e redes sociais do Mauc (Instagram e Facebook)
Objetivo, ementa, metodologia ou resumo: Durante a pandemia de Covid-19 o Museu de Arte da UFC conseguiu se reinventar e criar um ritmo de atividades online que o manteve em contato, dentro do novo padrão possível, com seus públicos. Este vídeo busca refletir sobre o posicionamento do Mauc com a chegada dos novos públicos das plataformas digitais, bem como sobre perdas e ganhos desse movimento. Para isso, partimos do pensamento de que a arte e o conhecimento são motivadores de continuações e recomeços.
Participantes/Convidadas(os): Equipe Mauc (servidores, funcionários, bolsistas e voluntários), públicos Mauc e convidados.
Responsável: Kathleen Raelle de Paiva Silveira – Coordenadora do Núcleo de Comunicação do Museu de Arte da UFC (Mauc)

Ação 5
Adentrando às memória do arquivo Institucional e Histórico do ArqMauc.
Data: 21 de setembro
Horário: 10:00h
Plataforma: Youtube
Objetivo, ementa, metodologia ou resumo: Durante o período pandêmico ao qual estamos vivenciando o arquivo do Museu de arte da UFC procurou se adaptar às novas atividades propostas pela situação. Esse vídeo busca mostrar a história do arquivo do Mauc, adentrando em seus acervos e atividades por ele desenvolvidas. Mostrando como o arquivo, setor em desenvolvimento, atuou durante o período pandemico.

Participantes/Convidadas(os): Arthur Afonso, aluno de Biblioteconomia – atualmente bolsista do arquivo. Isaias Alves Braga Neto – Produtor e editor, possui nível Superior em tecnologia filmmaker – Uninassau; Graduação em Turismo – IFCE. Bolsista voluntário Mauc. Auricélia França – Técnica em Arquivos Mauc.
Responsável: Auricélia França de Souza Reis – Técnica em Arquivos do Mauc.

Sintam-se todas, todos e todes convidados a participarem!

Chego a chorar, manso de tristeza.
Depois levanto e de novo recomeço.
Clarice Lispector

 

Fonte: Ibram

Acessar Ir para o topo