Português

Museu de Arte da UFC comemora 59 anos com uma série de atividades on-line para o público

26 de junho de 2020
Imagem: O MAUC reúne um acervo com cerca de 7.000 obras e, sintonizado com os novos tempos, cada vez mais interage com o público (Imagem: Divulgação)

Banner comemorativo de aniversário de 59 anos do Mauc. Na parte superior, fotografia antiga da fachada do Museu; na parte inferior, uma foto recente.

Neste 25 de junho, dia em que a Universidade Federal do Ceará completa 65 anos de instalação, o seu Museu de Arte (MAUC) celebra 59 anos. Mesmo com as orientações de distanciamento e isolamento social em razão da pandemia de covid-19, a direção e a equipe do MAUC comungam a premissa de que “a arte consola e salva” e enfrentaram o desafio de elaborar uma programação especial para o público. Via Internet, teve início na segunda-feira (22) e prossegue até domingo (28). O programa vale também como contagem regressiva para celebrar os 60 anos de um museu que atravessa gerações, marcando a vida e a trajetória de profissionais, artistas, grupos, pesquisadores, visitantes e da própria UFC.

Nas redes sociais do MAUC ‒ Instagram e Facebook ‒, desde segunda-feira o público pode acessar vídeos e diversas postagens que mostram a rica trajetória do MAUC. Nesta sexta-feira (26), será lançada a segunda edição do caderno de ilustrações MAUC para colorir ‒ edição de aniversário, composto por 60 ilustrações inspiradas no acervo do museu e produzidas pelo artista e servidor do museu Francisco Antônio Araújo Bandeira. O caderno faz parte das ações do projeto de extensão intitulado Museu de Arte: uma Nova Recepção Estética, vinculado à Pró-Reitoria de Extensão (PREX) e o público poderá fazer o download no site do museu.

No domingo (28), às 10h, o MAUC promoverá a 1ª Exposição infantojuvenil virtual, que faz parte da mostra de obras dos pequenos e das pequenas artistas, e também dos  que já não são tão pequenos assim, que realizaram inscrição mediante convocatória nas redes sociais do museu.

ft 200625 mauc contacao

Banner de divulgação de contação de história em comemoração ao aniversário do Mauc.

Na abertura da 1ª Exposição infantojuvenil virtual, a direção do MAUC convidou o Grupo Era uma Vez, criado em 2002 e especializado em narrativas para infância. O grupo apresentará uma encantadora contação de histórias de “As três maçãs”, sobre um príncipe à procura de seu grande amor. Nessa busca ele depara com muitas surpresas. Após a história, haverá uma canção para toda a família cantar junto. A apresentação será conduzida nas redes sociais do museu por Raimundo Moreira, ator, diretor e contador de histórias, e Luisete Carvalho, atriz, artesã, contadora de histórias e pedagoga.

Nas redes sociais o público pode acessar vídeos que mostram os visitantes ocupando os espaços físicos da unidade, fruindo o rico acervo, e que explicam o apelido carinhoso e a nossa sigla institucional: MAUC. Pode, ainda, responder a um quiz com curiosidades e peculiaridades da instituição e de seus profissionais. Além disso, está programada para a sessão Educativo Indica a resenha dos primeiros escritos sobre o MAUC, com textos de seu fundador, o reitor Martins Filho, e da ex-diretora Zuleide Martins, a primeira mulher a ocupar a direção do MAUC, depois de dois primeiros diretores.

ARTE SALVA ‒ Sintonizado com os novos tempos, neste ano o MAUC realizou sua primeira exposição inteiramente virtual. Nesta semana, em que se comemoram 59 anos de instalação do museu, a diretora Graciele Siqueira e sua equipe assinam uma emocionante nota na qual falam sobre o desafio de celebrar uma data festiva em meio a uma pandemia: “Como celebrar um aniversário em meio ao distanciamento e isolamento social? Como celebrar uma data festiva em meio ao caos, à doença, à morte, ao luto e a números desoladores? Durante esta pandemia a sociedade descobriu algo que os museus, os colecionadores e amantes da arte já sabiam: a arte consola e salva! Mais do que nunca a arte, os museus e o patrimônio cultural tiveram lugar central para a estabilidade emocional de toda a nossa sociedade”.

E acrescentam: “Aprendemos muito neste ano de 2020, mudamos os rumos, ajustamos as velas e trouxemos inovações e interações para o MAUC e para nosso público. Aproveitamos o que tínhamos de melhor da nossa equipe e descobrimos potencialidades que se converteram em ações e atividades. Nesse sentido, este período nos trouxe ainda mais a vontade de avançar, de prosseguirmos a evoluir também nas plataformas virtuais e, assim, continuar a colaborar para a potência da arte na transformação de vidas!”. A nota na íntegra pode ser acessada no site do MAUC.

RICO ACERVO ‒ O MAUC foi um sonho concretizado pelo primeiro reitor da UFC, Prof. Antônio Martins Filho, que na composição do acervo se manteve fiel ao lema que ele cunhou para a UFC, estendendo-se do regional ao universal. A instalação oficial do Museu ocorreu no dia 25 de junho de 1961. Com um acervo relevante, conta hoje com aproximadamente 7 mil obras, dentre as quais destacamos as coleções de arte popular, 1.544 peças (matrizes e estampas de xilogravuras, esculturas em cerâmica e madeira, ex-votos), e artes plásticas, 5.184 (pinturas, guaches, aquarelas, gravuras, desenhos, esculturas). São destaque as coleções dos cearenses Aldemir Martins, Antônio Bandeira, Chico da Silva, Descartes Gadelha, Raimundo Cela e Sérvulo Esmeraldo e do suíço Jean-Pierre Chabloz. Saiba mais no site do MAUC.

Fonte: Graciele Siqueira, diretora do Museu de Arte da UFC ‒ e-mail: mauc@ufc.br

Publicado originalmente no Portal da UFC.

Marcadores: